Olá visitante! Cadastre-se ou faça o login.

Atendimento

413030-1962
Logo

Atendimento

413030-1962
Carrinho
zoom passe o mouse
A crise da política de medicamentos no Brasil (Ref: 7899508)
Desculpe, este produto não aceita comentário.
O estudo da crise da Política de Medicamentos no Brasil demonstra que a assistência farmacêutica pública brasileira tem crescente número de demandas judiciais por meio das quais se requer...
Disponibilidade: Envio imediato
por R$ 54,00
Quantidade: No momento a quantidade solicitada não esta disponível em estoque
Digite seu CEP:
Texto adicional
Giseli Valezi Raymundo
Dados técnicos
ISBN: 978-85-5507-343-4
Páginas: 251
Edição: 1ª
Ano Publicação: 2017
Especificação
Apresentação: Brochura
Formato: 14,8 x 21cms
Descrição longa
A crise da política de medicamentos no Brasil
Giseli Valezi Raymundo

O estudo da crise da Política de Medicamentos no Brasil demonstra que a assistência farmacêutica pública brasileira tem crescente número de demandas judiciais por meio das quais se requer o fornecimento de medicamentos que não são disponibilizados pelo SUS. Em meio ao contexto econômico relativo ao tema, entende-se que o fato da produção de medicamentos estar sujeita à livre iniciativa não afasta a constatação de que há regulação estatal, em virtude aprincipalmente da natureza jurídica do direito ao acesso a medicamentos, qual seja, a de direito fundamental. No que diz respeito aos aspectos sociais, por meio de sua análise constatou-se que a abrangência da crise do fornecimento de medicamentos pelo SUS é muito ampla. Como cerca de 70% da população brasileira procura atendimento junto ao sistema público de saúde, bem como sequer recursos orçamentários mínimos são utilizados pelos entes da federação, da mesma forma que o desvio destes recursos ainda é realidade extremamente presente, a precariedade das prestações de saúde no Brasil é notória e crônica, de modo que o universo dos indivíduos sem tratamento compromete a coesão social, prejudicando a harmonia social. Considerando estes fatores, defende-se que o Poder Judiciário tem legitimidade para decidir acerca da implementação da respectiva política pública, legitimidade esta a ser verificada em cada caso concreto, de acordo com noção segundo a qual o princípio da separação de poderes deve ser interpretado em função do direito à saúde não mais como norma programática, mas dotada de plena efetividade social.